Cambista de loteria no Serra Dourada

09/05/2017 | por: Central 3

*Por Gil Luiz Mendes

Na sexta-feira subi a Rua Augusta e adentrei na casa lotérica que fica de esquinal com uma rua transversal de que não me recordo o nome agora. Fiz três apostas. Uma na Mega Sena, uma na Quina e outra na Lotofácil. Números aleatórios, feitos automaticamente pela máquina registradora que nem me dei ao trabalho de conferi ou decorá-los. A pretensão de ficar rico de uma hora para outra ainda me bate o peito, mas menos do que em épocas passadas.

Dois dias depois, já em Goiânia, me arrependi de ter feito apenas aqueles três jogos. Deveria ter feito o quarto apostando na famigerada Timemania e colocado o Goiás como clube do coração. Nunca apostei na loteria criada para diminuir as dívidas dos clubes brasileiros, menos por questões por morais, mas por achar a chance de ganho mínima e valor do prêmio baixo.

Se tivesse me atentado ao noticiário do futebol goiano antes de minha viagem, saberia que com um bilhete da Timemania em mãos teria direito a pagar meia entrada na final do principal campeonato estadual do Centro-Oeste. Sem problemas, fui disposto a pagar o valor inteiro para conhecer o lendário Serra Dourada, ainda mais em dia de decisão.

O apartamento onde estou hospedado fica a uns 700 metros do estádio e no caminho em vez de pagar R$ 2 numa posta que poderia ser feita na loteria, paguei R$ 5 na mão de um cambista. Sim, nos arredores do Serra Dourada motorista e outros tipos de torcedores eram abordados para comprar apostas feitas em lotéricas e não ingressos para diferentes setores do estádio.

No final das contas, acabei pagando R$ 25 reais, mesmo sendo R$ 40 um valor justo para um final de campeonato. E havia muito tempo que eu não sentia um clima tão bom de decisão. Estavam ali todos os ingredientes que eu jurava terem sumido e que, confesso a contra gosto, os estaduais alimentam.

Estádio dividido meio a meio para as duas torcidas, bandeirões, bandeira com haste de bambu, bandeirinhas com haste de plástico, cerveja com álcool nas arquibancadas, arquibancadas de concreto. Só lamentei ainda existir a geral e ela não ser ocupada por ninguém. Escolhi ficar na torcida do Goiás por motivos logísticos. Foi o primeiro portão que encontrei no estádio, o time tinha vencido o primeiro jogo por 3 a 0, e a torcida estava em maior número.

É estranho estar no meio de uma torcida ensandecida, prestes a conquistar o tricampeonato estadual em cima de um rival e você não ter nenhum sentimento para demonstrar. Nem bom, nem ruim. Ficar apenas a contemplar e fingir algo. Claro que soltava gritos e demonstrava emoção a cada lance mais perigoso, mas tinha que me manter mais serenos quando esses lances fosse favoráveis ao Vila Nova.

A rivalidade é grande, e mesmo o grito, a princípio infantil, de “um, dois, três, o Vila é freguês” quando soado incessantemente por uma massa de mais de 15 mil pessoas ganha uma força e um sentido maior. A torcida do Vila é valente. Mesmo com o revés da primeira partida compareceu em um bom número, completando as 27 mil pessoas naquela tarde de domingo.

Dentro de campo também tivemos uma final à moda antiga. Jogo aberto, catimba, confusão, juiz que hora apita demais, outra apita menos, expulsões e aquele 1 a 0 suficiente para ecoar buzinas por toda a cidade e calar gargantas ainda esperançosas. Eu, pernambucano radicado em terras paulistas, me rendi ao futebol goiano, que, pelo menos nas arquibancadas, parece manter as tradições.

Eu, aqui no meu canto, permaneço sem conseguir acertar na loteria. Passei longe das premiações, mas o último domingo me deu um certo ânimo de crer que esse tal de futebol de arquibancada ainda vai demorar para acabar.

 

*Gil Luiz Mendes é escritor, jornalista e apresenta o Baião de Dois, na Central3.


6 Comentários »

  1. Só queria saber onde você achou o número de 12 mil vilanovenses e apenas 15 mil vilanovenses. rs Você realmente foi ao estádio? haha Porque você tá dizendo que a diferença era de 3 mil torcedores, sendo que a torcida esmeraldino era no mínimo o TRIPLO.

    Comentado por Roberto — 10 de maio de 2017 @ 21:42

  2. Corrigindo: 12 mil vilanovenses e apenas 15 mil esmeraldinos.**

    Comentado por Roberto — 10 de maio de 2017 @ 21:43

  3. Bacana, imaginei que vc tivesse acertado a sorte grande,como dizia a cantora Pity,. ” tudo isso hoje cedo”

    Comentado por Maurício — 11 de maio de 2017 @ 0:22

  4. Bem vindo a nossa cidade , e bem vindo a maior torcida do Centro-Oeste. Eu concordo com quase tudo que você disse ( apenas não concordei com a torcida do vila rosa , eles tinham no maximo umas 7 mil pessoas kkkk). Como você falou, gosto do nosso jeito de torcer , do velho futebol, aonde inclusive a torcida do Goiás tem uma faixa escrita ” Não ao futebol moderno” .Infelizmente nossa violência e os erros infantis dos clubes e ministério público querem elitizar no futebol , podendo fica igual dos ingleses que mais parece um teatro do que um jogo de futebol . Saudações esmeraldinas , e venha mais vezes. Um abraço .

    Comentado por Marco Felipe — 11 de maio de 2017 @ 8:27

  5. Bem vindo ao futebol goiano, que infelizmente não é maior em questões de público por questões estruturais da logística e segurança goianiense. Enfim, 1, 2, 3, o vyla é freguês! Daqui 12 anos tem de novo.

    Comentado por Rodrigo Medeiros — 11 de maio de 2017 @ 12:05

  6. É triste ver tantos elefantes brancos deixado pós copa e o Serra Dourada abandonado

    Comentado por Weber Carlos — 11 de maio de 2017 @ 19:32

RSS feed para comentários desse post.

Deixe seu comentário

Ao vivo
Últimos posts
chicocesar13
A música e o trabalho.
22/05/2017

Em tempos de “reformas”, uma coletânea saborosa.




1987_sport_1x0_guarani_campeao_brasileiro_poster_560_2.jpg
Copa do Nordeste é reflexão de 87 para Sport
17/05/2017

Defensores raivosos do título de 87 tem algo a aprender com 2017.




1120227-5907-atm14
A Lapa é foda
16/05/2017

O bairro boêmio é um microcosmo de todo o Rio de Janeiro




Acesse também
ZNORADIO102
22/05/2017

Mesa cheia para falar de Libertadores e Brasileirão!







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Racing
20/05/2017

Entrevistamos o autor do livro “Los Desaparecidos de Racing”







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

antonio-candido
19/05/2017

Ou uma homenagem a Antonio Candido







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

RPU
19/05/2017

Um olhar sobre os Direitos Humanos!







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Captura de Tela 2017-05-18 às 20.30.06
18/05/2017

Libertadores da América em tempos de tensão







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

dario
18/05/2017

O time campeão brasileiro, de Telê e Dadá







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Central 3 Redes Sociais
Áudio ao vivo Ao Vivo
Open Mostrar player