Os tambores da greve voltam a preocupar Hollywood

18/04/2017 | por: Central 3

*Por Renan Martins Frade

Agora você pode, por uma pequena quantia por mês, ter diversos filmes e séries para assistir quando quiser, na hora que quiser, tudo via internet. Esse tal de futuro é legal pra caralho, né?

Mas, saiba você, o seu serviço de streaming por assinatura favorito é uma das questões no meio de um cabo de guerra que pode levar a uma nova greve dos roteiristas nos EUA, bem parecida com aquela de 2007 que, por exemplo, encurtou temporadas de séries como Lost, Breaking Bad, Heroes e Prison Break.

É que o Sindicato dos Roteiristas do Oeste dos EUA (Writer’s Guild of America, West – o WGAW) está, neste exato momento, notificando os seus associados para duas reuniões, uma no próximo dia 18 de Abril, às 19h do horário local (23h no horário daqui) no Sheraton Universal, em Universal City, e outra no Beverly Hilton, em Beverly Hills, no dia seguinte, 19, mesmo horário. Já o Sindicato do Leste (Writer’s Guild of America, East – o WGWE) anunciou que o encontro deles, único, acontece em 19 de Abril, em Nova York, às 19h locais – ou 20h de Brasília.

A partir daí, até o meio-dia no horário do Pacífico do dia 24 de Abril (16h por aqui), todos os membros vão poder votar online e decidir se autorizam ou não uma greve. Isso não significa uma parada instantânea — o sindicato ainda pode usar essa autorização de seus afiliados para barganhar um acordo final. Se a negociação não andar, aí sim, a greve acontece.

Se confirmada, esta será a sexta paralisação dos roteiristas na história – todas ocorrendo em governos de um presidente do Partido Republicano, com as anteriores em 1960, 1981, 1985, 1988 e, claro, a de 2007-2008.

Entre as exigências do WGA, que é a união entre os sindicatos dos dois lados dos EUA, para o Alliance of Motion Picture and Television Producers (AMPTP), que representa a galera da grana, está uma renda maior das produções que vão para o SVOD, ou seja, o streaming por assinatura – justamente o caso de Netflix, Amazon Instant Video e Hulu. Não, não é que essas empresas estejam pagando menos para alguém. — na realidade, elas é que se tornaram grandes fontes de receita para estúdios, distribuidoras e produtoras, principalmente após a queda do DVD e do Blu-Ray. Com uma maior importância do video on demand nesse mercado, o sindicato quer uma maior fatia no bolo para os seus associados. Simples assim.

De acordo com o sindicato, essa mudança no equilíbrio de forças fez com que as empresas de entretenimento lucrassem US$ 51 bilhões no último ano, um recorde, enquanto a renda dos roteiristas caiu 23%. É, de certa forma, parecido com o que rolou na greve de dez anos atrás: os roteiristas queriam receber uma fatia dos lucros com DVD e o que se chamava na época de “novas mídias”, uma vitória que se dissipou com a mudança no mercado de entretenimento que vimos nos últimos anos.

Sim, a internet estava dentro de “novas mídias”, mas agora as temporadas estão sendo muito menores – entre 10 e 13 episódios, contra 20 e tantas que eram, antes, a norma. Como os roteiristas ganham por episódio, as coisas ficaram mais difíceis.

Há outras exigências, como políticas racionais para dispensas por conta de doenças na família, aumento de renda para roteiristas de comédias e por aí vai. Mas a pedra no sapato mesmo, de acordo com o deadline.com, é o plano de saúde – que estaria quebrado.

Atualmente, o déficit desse plano é de US$ 50 milhões. Os empregadores já toparam ajudar a pagar 80% dessa dívida até 2020, mas querem que o sindicato bote a mão no bolso também. Só que o WGA simplesmente não tem esse dinheiro: seria algo por volta de 10 milhões de Trumps, da grana deles, a mais nessa conta. Não é pouco.

Uma solução seria pegar para o próprio sindicato uma fatia dos aumentos que a indústria oferece aos roteiristas, ajudando a quitar esse déficit, mas o WGA não está interessado nessa alternativa.

Em carta distribuída aos associados no final de março – e divulgada pelo Hollywood Reporter – o Writer’s Guild bateu o pé, afirmando que estúdios, distribuidoras e produtoras negaram os aumentos, as férias e ofereceram um pouco mais de ganhos no SVOD. “Eles demandam a adoção de uma medida draconiana na qual futuras deficiências do plano seria compensada por reduções automáticas dos benefícios – e nunca pelo aumento das contribuições patronais”, afirmaram.

Isso tudo deve atrapalhar bastante um acordo – que, aliás, aconteceu, recentemente, com o sindicato dos diretores, que conseguiu aumentar seus ganhos no streaming. O WGA chegou a interromper as negociações na semana passada, retomando o papo nesta segunda (3).

Lá nos EUA, essas coisas de sindicatos e greves, pelo menos na indústria do entretenimento, são sérias. Praticamente todos os roteiristas são filiados ao WGA, que é responsável não só pela relação entre empregados e empregadores, mas também por arbitrar questões como os créditos aos roteiristas, verificar copyright, registrar roteiros e dar benefícios aos associados, como o plano de saúde – que é muito importante num país sem saúde pública e com um atual presidente que quer acabar com a alternativa criada pelo anterior.

Você pode até não ser sindicalizado, mas tá aí um pessoal que não vale a pena irritar.

Ou seja, se os membros do sindicato votam pela greve, todos os membros são obrigados a parar. Séries e filmes com script – basicamente tudo que não é reality show – ficam sem textos e pouca gente tem coragem de furar a greve. Além disso, algumas gravações acontecem com a presença de um ou mais roteiristas, responsáveis por ajustar textos e fazer correções de rota no local, caso algo dê errado (o que acontece muito com sitcoms, por exemplo, quando uma piada não funciona e a plateia no estúdio não ri).

Na última greve, entre 2007 e 2008, teve gente querendo continuar. Scripts foram adiantados no período pré-greve e há sempre a possibilidade de reutilizar textos antigos, entre outras alternativas. Por isso os profissionais filiados ao WGA fizeram piquetes na frente de diversos estúdios. O time de The Office, por exemplo, tentou continuar as gravações nos primeiros dias da greve, mas o astro Steve Carell se recusou a furar o bloqueio na frente do estúdio. Por isso, a série acabou tendo uma temporada com menos episódios naquela oportunidade: 19, contra 25 da temporada anterior.

Já a Disney, na época, contratou fura-greves com pseudônimos para continuar com a produção de scripts de Power Rangers: Fúria da Selva – algo bem alinhado com a postura de seu fundador, diga-se.

Se a nova greve for confirmada nas próximas semanas, esse cenário geral deve se repetir.

A mudança, desta vez, é que a greve tem tudo para ocorrer justamente no período de hiato de boa parte das produções na TV aberta – em 2007, a greve começou em novembro. É um momento no qual não rolam tantas gravações, mas é justamente o momento de definir planos e escrever os roteiros das próximas temporadas. Se a parada for rápida (em 1987, a greve dos diretores durou apenas 3 horas e 5 minutos), talvez alguma pressa depois compense o tempo perdido. Agora, se demorar, a temporada 2017-2018 da TV dos EUA tem tudo para começar bem atrasada.

É bom lembrar que as séries de TV paga e do streaming possuem muito mais importância no mundo de hoje – inclusive se transformando em uma das justificativas da nova greve. Como essas produções não seguem o ritmo normal da TV aberta, o impacto vai variar. Quem deve sofrer, mesmo, é o Netflix, que tem investido muito em séries originais com lançamentos quase que semanais, um planejamento que deve ir pelo ralo – ou que talvez resulte num aumento do investimento em séries internacionais, como já fazem aqui no Brasil e no México.

Outro detalhe é que mais produções atualmente são rodadas fora dos Estados Unidos, por conta de menores custos, inclusive com mão de obra mais barata, já que ficam livres dos acordos dos sindicatos americanos. Aí os resultados da greve vão variar de acordo com o emprego de profissionais dos EUA ou locais.

No cinema, os resultados de uma eventual greve devem demorar um pouco mais para aparecer, já que os roteiros de filmes que ainda estão em pré-produção devem atrasar – afinal, essa mão de obra é basicamente de americanos sindicalizados. Não se espante, por exemplo, se estúdios começarem a desenterrar roteiros anteriormente recusados, no caso de uma longa greve.

Alguns também podem procurar outras soluções, como David Letterman, que era dono da empresa independente que produzia o Late Show With David Letterman e não era representado pela AMPTP, fez em 2007, entrando em um acordo diretamente com a WGA, retornando com o programa logo no início de 2008. Jay Leno e Conan O’Brien voltaram com seus programas no mesmo dia, mas sem roteiristas – e viraram alvos do sindicato.

Algumas outras situações bizarras podem acontecer, principalmente no caso de produtores-roteiristas ou showrunners, que acumulam as duas funções e podem ser integrantes de mais de um sindicato. Como membros do WGA eles não podem furar a greve, mas como integrantes do PGA (Producers’ Guild of America) eles têm que continuar trabalhando e, se as gravações acontecem fora dos EUA, podem se ver obrigados a contratar roteiristas locais.

Independente do momento e das definições, a certeza é que muito dinheiro vai ser perdido se realmente rolar a greve. Da última vez a indústria do entretenimento perdeu ou deixou de ganhar US$ 500 milhões, enquanto Los Angeles viu US$ 1,5 bilhão evaporarem da economia local. É muita coisa. Mas os roteiristas, claro, estão pensando nos ganhos que terão no longo prazo – e na saúde deles e de suas próprias famílias.

O que é bem justo.

Ah, sim: o Screen Actors Guild, o sindicato dos atores, acompanha toda essa movimentação bem de perto. Eles devem ser os próximos a exigir algo dos produtores de cinema e TV – isso com uma “força de trabalho” dez vezes maior que a dos produtores…

Estamos de olho.

 

*Renan Martins Frade é colaborador do Judão


Nenhum comentário encontrado »

RSS feed para comentários desse post.

Deixe seu comentário

Últimos posts
vida
O Filme da Minha Vida (2017)
18/08/2017

Murilo Costa e o filme da semana no Central Cine BR




AMIZADE 9
Qualquer carinho entre LGBTs vira transa
09/08/2017

Gestos públicos de afeto entre gays ainda é visto como algo abominável




IMG_3300 (2)
O futebol de primeira em Buenos Aires
04/08/2017

O relato de quem viu o acesso do Chacarita de dentro da cancha




Acesse também
17-facebook-girls-in-the-house
22/08/2017

Raony Phillips, de Girls in the House, no ASTERISCO dessa semana!







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

mayweather-vs-mcgregor
22/08/2017

Tá chegando a hora…







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

ZNORADIO102
21/08/2017

Zé Trajano direto de Sevilla, na Espanha







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Christensen, Wes (1949-...) Rhetorical device
21/08/2017

Um podcast erótico…







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Aterciopelados
18/08/2017

Cinco temas que marcaram o gênero!







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Charlottesville
18/08/2017

Os fantasmas da Guerra Civil seguem assombrando os EUA!







Ouça Leia Adicione à playlist Faça o download Insira na sua página

Utilize o código abaixo

Central 3 Redes Sociais
Open Mostrar player