O Quadro Negro

Quadro Negro #14 Animês, mangás, imaginário e afirmação

OUÇA O PODCAST

Contamos com a presença da cosplayer, estudante de física e professora, Bruna Terra. Batemos um papo sobre como os animês e mangás, tratam do imaginário em suas histórias e como isso reflete no processo de masculinidades tóxicas e também, de representatividade feminina.

Uma aula que não é somente para otaku e otomes!

=====================================

Email: oquadronegropodcast@gmail.com

Twiter do podcast

DICAS

Animês e mangás: o mito vivido no imaginário infantil, de Fernanda Silva Noronha

Death Note

Mob Psycho

Otaminas

Posts Relacionados

Um comentário em “Quadro Negro #14 Animês, mangás, imaginário e afirmação”

  • Oi gente, estou começando a conhecer o podcast e estou adorando. Parabéns, muito incrível! Estudei o desenho Hora de Aventura no mestrado e doutorado, e fico bem feliz em ouvir a discussão de vocês. Queria só fazer uma colocação: existem, sim, muitas pesquisas relacionadas à desenhos animados e aos animês, mas talvez não sejam tão visíveis, pois lidam com interseções de várias áreas. A Literacia Midiática, Media Literacy, (que trata do uso e crítica sobre o mídia no processo de formação cidadã), por exemplo, trabalha com estes temas desde antes da década de 80. Esta campo é muito forte nos EUA, também nos países nórdicos e na Europa em geral. Na América Latina, a Educomunicação. Esta bem presente em SP. A Educação para os Media em Portugal, que é um subcampo da disciplina Educação para Cidadania. Na perspectiva da Classificação Indicativa, alguns campos do Direito também estudam, mas à vezes, de maneira meio dura, sem muita voz das crianças e adolescentes. Na Inglaterra, o Edutaiment (mistura de educação com entretenimento) é uma outra área forte também. Enfim, acho que por não ser um campo tão definido e existirem diversas frente, às vezes, perde-se visibilidade. Vocês comentaram sobre a importância de desenhos como o Steven Universe. E aqui no Brasil, no Design, estamos vendo muitos artigos tratando do desenho e o relacionando às temáticas LGBT+, ao feminismo dentre outras. Tá tendo repercussão. Grande abraço, e mais uma vez parabéns pelo trabalho!

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar algumas tags HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>