Xadrez Verbal

Xadrez Verbal #195 Radiação Submarina

OUÇA O PODCAST

Depois da primeira parte do especial sobre o acordo MERCOSUL – UE, chegamos com nossa revista semanal de política internacional em formato podcastal!

Começamos pelo fundo do mar, com a notícia de que a Noruega detectou níveis de radiação vindos de um submarino soviético afundado. Onde mais temos embarcações nucleares submersas, no fundo do mar? E ogivas perdidas?

Ainda na Europa, passamos pela Grécia que está de novo governo, além das farpas na relação diplomática entre Reino Unido e EUA, notícias da Santa Sé, patrimônios da humanidade em Portugal, dentre outros.

Finalmente, voltamos para o Brasil, onde a notícia de que Eduardo Bolsonaro pode ser embaixador nos EUA causou grande repercussão entre ontem e hoje. Tem lado positivo? E os negativos?

Posts Relacionados

9 comentários em “Xadrez Verbal #195 Radiação Submarina”

  • Allen Teixeira Sousa disse:

    Vocês estão me dizendo que o parlamento Grego possui 300 cadeiras e não foi feita nenhuma piada com os 300 de Sparta? Francamente assim a gestão política da Grécia ficará presa nas Termópilas.

    Abraços a todos

  • Salve Matias e Filipe! Fala aqui o Luciano Aguiar, professor de português em Tomsk, Sibéria, mas em Lisboa no momento. Mais uma vez, parabéns pelo ótimo trabalho! Vocês estão se saindo muito bem em tentar explicar toda essa balbúrdia que anda o mundo atual.

    Ouvindo o podcast, quando vocês comentavam à respeito da foto do Bolsonaro com o embaixador israelense, o Matias mencionou quando borraram o Rolex no pulso do Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, mas esqueceram de borrar o reflexo na mesa. Essa caso foi curioso e minha esposa, que é russa, ouviu, lembrou dessa treta aí e me contou que esses vacilos são meio corriqueiros e a última foi em 23 de junho, quando flagraram o iate oficial da Igreja, o Pallada (sílaba tônica no “lla”) navegando em algum lugar não revelado com jovens (ao menos um homem e uma mulher) em trajes de banho e bastante relaxados. Não davam pinta de estar orando ou em missão eclesiástica. O Pallada é usado sempre pelo Patriarca de Moscou para viajar para a Grécia, fazer várias coisas relacionadas à igreja etc. Quando questionado, um porta-voz da Igreja disse que não estava sabendo de nada disso. Simples assim.

    Deixo aqui abaixo o link da nota em russo e uma tradução feita meio às pressas mesmo. COmo vocês são firmeza e proveem várias infos úteis, porque não traduzir a nota? Ela é bem curta mesmo (acredito que por conta de a igreja ser sempre bastante lacônica em certos assuntos):

    https://gubdaily.ru/blog/news/na-yaxte-pallada-prinadlezhashhej-rpc-sfotografirovali-devushku-v-kupalnike/

    “Caíram na internet fotos do iate Pallada que pertence à Igreja Ortodoxa Russa

    Nas fotos se vê um jovem e uma moça de maiô.

    O vice-representante do Departamento Sinodal de Relações da Igreja com a Sociedade e a Mídia do Patriarcado de Moscou, Vakhtan Kipshidze disse à radio Govorit Moskva que não está sabendo das fotos nem quem poderia estar usando o iate.

    “Não estou sabendo de nada disso” disse Kipshidze.

    A empresa Lukoil deu o iate Pallada de presente ao Patriarcado de Moscou em 2005. Em 2011, a assessoria de imprensa do Patriarca explicou que o iate pertence ao Patriarcado de Moscou mas se recusou a tornar público o valor de sua manutenção.”

    E no tuíte está escrito:
    “Moscou, 23 de junho de 2019. O iate Pallada, do chefe da Igreja Ortodoxa Russa Gundyaev. A moça de maiô deve ser uma freira.”

    É isso. Parece que não é a primeira vez e nem vai ser a última que eles vacilam. Vou ficar de olho por aqui. Grande abraço para vocês e continuem o belo trabalho.

  • Daniel Gomes disse:

    Olá, moro em Jaguariúna, na região de Campinas – SP, sou ouvinte de vocês há cerca de 4 meses, sempre aguardo com ansiedade o lançamento do podcast toda semana… sobre o Eduardo Bolsonaro, a atuação dele na Comissão de Relações Exteriores não seria um ponto positivo para a indicação dele ao cargo de embaixador?

  • Daniel Garcia disse:

    Salve amigos do Xadrez Verbal. Queria saber se em algum programa anterior vocês já falaram sobre o projeto da mega cidade Saudita de NEOM. Estou indo para um evento lá na próxima semana e estou tentando obter o máximo possível de informações, e confio demais na análise de vocês.

  • Eduardo Sforni disse:

    Só eu que reparei que o Daniel (Acho que era o nome dele, do valor econômico) deu resposta sucintas e mesmo assim pediu desculpa pela demora kkkk

    Um grande abraço de Maringa-PR

  • Keera Moon disse:

    Voltando a polêmica do filme da Pequena Sereia ter uma protagonista negra. Já existe uma sereia negra na série Siren, ela é interpretada pela atriz zimbabuense Sibongile Mlambo, que na série é meia-irmã da protagonista Ryn (Eline Powell de Game of Trones). Ryn vem a terra para procurar a irmã que foi capturada pelo governo e está sendo alvo de experimentos. Na boa, quando ela tá no mar a menina fica monstruosa com direito a presas e garras afiadas. Se alguém chegou a ler lendas de sereias, elas não cantam “Poder andar, poder correr, Ver todo o dia o sol nascer”, mas para enfeitiçar e enlouquecer marinheiros, afogá-los e depois fazer um lanchinho.

  • Antonio Bordallo disse:

    Olá, estimados do Xadrez Verbal
    Na última edição vocês comentaram algo sobre os bálticos, então daqui da Estonia eu tive que me pronunciar. A dica do Matias de usar a ordem alfabetica pra saber quem vem primeiro é otima. Como geralmente se falam nos balticos quase como um trinômio Estonia-Letonia-Lituania (por aqui, Eesti-Läti-Leedu) , então é só pensar que nessa ordem eles aparecem de cima pra baixo no mapa.
    Sei que é comum confundirem ou misturarem os países balticos, mas é curioso que na prática os países não têm nada em comum entre eles, além de comprtilharem uma mesma regiao no globo. Os laços culturais e comerciais da Estonia são com a Finlandia, os da Lituânia com a Polonia, e a Letonia fica lá meio avulsa, com algum laço cultural com a Russia, que ela pouco aprecia e então se apega ao seu passado nórdico (runas são a nova hype por lá como identidade cultural), mas por estar em posição central, acaba se relacionando muito bem com os vizinhos e sendo ponte entre eles. Pelo que sei, entre os bálticos os estonianos têm fama de serem individualistas e lentos (este último por que os finalndeses têm fama de lentos então a Estonia herda isso deles), os letos de terem 6 dedos no pé, e os lituanos de serem mais carolas (já que é o unico país dos 3 que é católico).
    Na Estonia o futebol é considerado o esporte mais popular, mas já que o pessoal aqui não é tão bom de bola, é uma minoria que torce pros times locais (são quase um segundo time deles), preferindo estes torcerem pra times de outras ligas européias, principalmente Premier League. Em popularidade o basquete fica em segundo. Quanto às tradiçoes, a Estonia tem tradiçao na luta greco-romana, que junto com lançamento de disco são os esportes que deram algumas poucas medalhas pra Estonia nas ultimas 3 olimpiadas pelo menos. Nas olimpíadas de inverno os estonianos também se destacavam no ski cross-country, já que é um dos poucos esportes de inverno que não precisa de montanha pra praticar (Estonia não tem montanhas). Pra finalizar, ultimamente é o tênis feminino que anda chamando atenção local por conta de 2 tenistas estonianas que andam bem qualificadas no ranking.

    Na Letonia o esporte popular é o Hockey (tem um time na liga russo-continental KHL) e o basquete. Jogando bola eles são os melhores do Báltico, tendo sido o unico país da regiao que já se classificou pra uma Euro (2004), mas mesmo assim a liga lá é fraca e confusa. No inverno eles se destacam no Bobsleigh. No interior do país tem várias pistas disso pra você praticar.

    Na Lituania o basquete impera, esmagadoramente sobre o futebol. De tal forma que futebol por lá parece esporte alternativo. Enquanto no Brasil os clubes de futebol tem franquias de outros esportes como basquete, alguns times de basquete como o clássico Zalgiris tem uma franquia de futebol…

  • E aí galera, não se vai estar no programa, mas nesta segunda numa operação investigando os Ultras do Calciopoli FC, ou Piemonte Calcio (Juventus) em Turim, a polícia italiana prendeu dois cidadãos italianos, um deles, Fabio Del Bergiolo foi candidato ao senado italiano em 2001 pelo partido Forza Nuova e um suíço, apreendendo várias armas de fogo, símbolos nazistas e um míssil catari de fabricação francesa da década de 80.

Deixar um comentário para Eduardo Sforni Cancelar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar algumas tags HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>