Fronteiras Invisíveis do Futebol

Fronteiras Invisíveis do Futebol #87 Commonwealth

OUÇA O PODCAST

Aproveitemos a efeméride de setenta anos da criação da Comunidade de Nações para falar um pouco da dissolução do império britânico. Da onde veio a ideia da Commonwealth, como ela foi formada, o que a rainha Elizabeth II representa dentro dela. Tudo isso mediado pela difusão das três modalidades esportivas mais populares ao redor do Planeta Bola!

Posts Relacionados

10 comentários em “Fronteiras Invisíveis do Futebol #87 Commonwealth”

  • Paulo Peiker disse:

    Salve, pessoal! Que episódio maravilhoso, mais uma vez.

    O Filipe teve uma cãibra mental: a final da última copa do mundo de críquete não foi entre Inglaterra e Gales, mas sim entre Inglaterra e Nova Zelândia.

    Por sinal, o BBC britânica considerou o jogo um dos mais emocionantes da história da modalidade, por ter tido um final dramático, com o selecionado inglês empatando o jogo na última rebatida a que tinha direito.

    O jogo foi para a prorrogação, algo extremamente raro na modalidade, com posterior vitória da Inglaterra.

    Um grande abraço!

  • Heitor Loureiro disse:

    Baita episódio meus chapas, como sempre!

    Sobre o Luther Blissett, jogador jamaicano citado como atletas de destaque da Commonwealth, lembro que a transferência dele do Watford para o Milan em 1982 por uma pequena fortuna foi considerada uma das maiores perdas de dinheiro do futebol daquela época. Mas talvez o fato mais notável sobre Luther Blissett é que o seu nome passou a ser usado nos anos 90 por diversos coletivos anarquistas em intervenções político-culturais mundo afora. O “Projeto Luther Blissett” se tornou célebre por plantar notícias falsas na imprensa europeia e vê-las sendo publicadas nos grandes jornais, denunciando assim o parco trabalho de verificação de informações e fatos por parte dos jornalistas. Mas talvez a obra de maior impacto assinada com o nome de Luther Blissett foi o romance Q, publicado em 1999 na Itália e no Brasil pela Conrad (atual Veneta). Por muito tempo cogitou-se que o livro fosse de autoria de Umberto Eco, mas hoje sabemos que foram quatro escritores italianos que escreveram coletivamente a obra. Em 2000, o coletivo cometeu um “seppuku”, matando Luther Blissett e inaugurando outro coletivo, o Wu Ming.

  • Robson Rodrigues F. disse:

    Finalmente consegui colocar o FIF em dia! Poderiam fazer um com as ex colônias Portuguesas (Macau,Cabo Verde,etc…) Gostaria muito de saber mais dos nossos irmãos bastardos hehe! Parabéns pelo ótimo trampo!

  • José Ageu Rodrigues da Silva disse:

    (Como meu comentário ficou esperando moderação no site do Xadrez Verbal, vou comentar por aqui.)

    Salve Matias e Filipe, aqui é o Ageu, Estudante de TI, de Arujá-SP, mais um vez um excelente programa, o quadro do Ubiratan Leal acrescentou ainda mais para o cast.

    Gostaria apenas de mencionar, sem clubismo algum, que o São Paulo Futebol Clube já teve um time de Rugby profissional, time esse que teve até mesmo algumas partidas transmitidas, sendo que um delas foi jogado em pleno Morumbi e televisionada pela Bandeirantes,jogo este que ocorreu antes de uma partida do time principal do São Paulo contra o Bahia, desta forma o estadio já possuía um bom publico. Uma outra curiosidade é que o São Paulo disputou um jogo contra o Nippon Country Club aqui de Arujá, o time do Nippon não esta mais em ativa, mais o clube continua em atividade em outros esportes, como o baseballl, que é representado pelo Nippon Blue Jays.

    Segue lista de Titulo conquistados pelo tricolor:

    Campeonato Brasileiro da Primeira Divisão “Torneio de Ouro”: 1986, 1987
    Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão “Torneio Aberto”: 1983, 1984, 1985
    Campeonato Paulista da Primeira Divisão: 1986
    Campeonato Paulista da Segunda Divisão “Torneio Aberto”: 1984, 1985
    Torneio da Páscoa: 1987.
    Copa Itaú: 1984, 1986.

    Links que falam um pouco mais sobre isso:
    http://www.saopaulofc.net/noticias/noticias/morumbi/2017/10/2/um-outro-aspecto-do-morumbi-o-poliesportivo
    https://www.spfcpedia.com/search/label/R%C3%BAgbi

    Um grande abraços para vocês, e um grande abraço também para o Michael Serra que é historiador do São Paulo e foi por meio dele que soube sobre o time de Rugby.

  • Olá Matias e Filipe,

    Como natural da cidade de Nova Lima, em Minas Gerais, não poderia de deixar de comentar esse último episódio. Na cidade teve uma forte presença britânica em razão da mineração de ouro e ferro conduzida pela companhia Saint John Minning Company que, posteriormente, se transformou na Morro Velho e hoje é Anglo Gold Ashanti. Uma das razões que a seleção inglesa jogou tão mal na copa de 1950, sendo derrotada pelos EUA, se deve às condições em que foram hospedados na cidade de Nova Lima, que fica a 25 km de Belo Horizonte, local onde está o Estádio do Independência. Não que as condições foram ruins. Pelo contrário. Foram tratados como estrelas e ficaram na Pensão Retiro, um especíe de alojamento vip para empregados da companhia que vinham do Reino e não traziam as famílias. Os que traziam a família, ficam em luxosas casas coloniais inglesas. Até hoje existe algumas na cidade. Mas voltando a década de 1950, como os ingleses se consideravam os melhores, os membros da equipe dedicaram seu tempo para outros dois esportes tradicionais britânicos: o boxe e a bebida. Com isto, jogaram com os EUA de ressaca de alcool e box. Ainda sobre outros esportes bretões em Nova Lima, a cidade foi a primeira a ter uma quadra de Squash no Brasil – e que existe até hoje – e já teve um campo de Cricket e Croquet, que era praticados no Clube das Quintas, clube que existe até hoje. Inclusive, neste clube tem uma mesa de sinuca trazida pelos britânicos que possui mais de 100 anos de idade e continua em uso. Por fim, o nome de um dos times de futebol amador do clube é “Staff” ou “Staffão”, porque originalmente, era formado somente pelos empregados britânicos que pertenciam à direção da companhia. E mesmo depois da saída dos empregados britânicos da companhia, o nome continuou a ser usado.

  • Olá Matias e Filipe!
    Sou ouvinte novo do podcast, não por causa do preconceito com futebol mas sim pq comecei a ouvir o xadrez verbal pouco tempo atrás. Queria comentar sobre esse mapa que vcs utilizam como capa do podcast. Não sei se alguém aqui já fez um comentário sobre o mapa em episódios anteriores mas lá vai… Esse mapa preserva as formas mas é bem distorcido em relação ao tamanho dos países e continentes, ele mostra a Groenlândia do mesmo tamanho do continente africano quando na verdade este último é quase 15 vezes maior. Sei que é dificil achar um mapa 2D bem fiel à realidade mas mesmo assim dá pra escolher algum outro melhor. Inclusive tem um arquiteto japonês chamado Hajime Narukawa que criou um mapa muito interessante baseado em origami para tentar solucionar esse problema.

  • Darcio Vieira disse:

    Não era contra a Líbia que fecharam um amistoso da Seleção Brasileira de Futebol e que embolsaram 500 mil dólares e o jogo nunca ocorreu?

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar algumas tags HTML:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>