Fronteiras Invisíveis do Futebol #92 História de Veneza

Coloque sua máscara de Carnaval e venha conhecer a História da República de Veneza! Aproveitando a véspera da folia em 2020, vamos contar não apenas a trajetória da cidade de Veneza, mas também de toda a região que um dia foi sua.

Mais ou menos o que hoje são o Vêneto e o Friuli, duas regiões que, combinadas, são a origem de cerca de 40% dos imigrantes italianos que vieram para o Brasil. Tudo isso temperado com um pouco do esporte na região, com o solitário título italiano do Verona e uma coluna não-clubista do Ubiratan Leal!

Posts Relacionados

O Som das Torcidas #170 AC Milan

Diavolo!

Voltamos à Bota, novamente na companhia de Francisco Pati, para celebrar os 120 anos do maior campeão europeu dentro do Calcio.

Visitamos o lado sul de San Siro, para entender o ponto de viragem de coletivos ultras como Fossa dei Leoni e Brigate Rossonere – alinhadas à extrema esquerda – para a Curva Sud – reflexo da presidência de Silvio Berlusconi no clube e país.

Além do Derby della Madonnina, conhecemos outros rivalidades dos milanistas como Atalanta, Juventus, Roma e Verona, com bastante influência da música italiana e do pop-rock internacional!

Posts Relacionados

29 de maio 2015: 30 anos de Heysel

Headline, Assigning Editor or Reporters Name

Já se passaram 30 anos e no entanto a Juventus e o futebol mundial não esqueceram a famigerada tragédia de Heysel: Foi no dia 29 de maio de 1985 quando os alvinegros de Turim enfrentavam, na final da Copa dos Campeões, os ingleses do Liverpool. Para aquele grande evento do futebol europeu, o decadente estádio de Bruxelas foi escolhido. Heysel não estava a altura da grande final assim como a policia destacada. O resultado conhecemos bem: 39 mortes (32 juventinos) e cerca de 600 feridos. A taça orelhuda acabou nas mãos da Velha Senhora porém não havia motivo para festejar.

A distancia de três décadas, a lembrança e a dor daquela trágica noite estão ainda vivas na memória do povo bianconero. Uma página triste na história do futebol. Hoje, o clube mais popular da Itália lembrou o episódio com o seguinte pensamento:

29 de maio 1985, o dia mais triste da nossa história.

Era pra ser um momento de festa, expectativa e tensão esportiva mas que se transformou em tragédia.

Trinta e nove pessoas inocentes naquela noite perderam a vida.

Trinta e nove famílias ficaram marcadas pra sempre com uma dor imensa. O acontecimento daquela noite ficou pra sempre na memória da todos os torcedores. Daqueles que estavam presentes em Bruxelas, dos que estavam sentadas na frente da TV e ainda daqueles que eram muito jovens ou que nem eram nascidos. Passaram trinta anos e hoje nos resta apenas rememorar.

A Juventus o fará participando ao lado da Associação dos familiares das vítimas de Heysel uma Santa Missa que será celebrada, às 19h30, na igreja da Gran Madre di Dio, em Turim. Estarão presentes os jogadores da Prima Squadra, o staff técnico e os dirigentes da sociedade. A Juventus participará em Bruxelas de uma cerimonia pública representada pelo presidente do J-Museum Paolo Garimberti e Sérgio Brio. Na cerimonia que será realizada, em Liverpool, estarão presentes Gianluca Pessoto e Massimo Bonini. Este artigo estará no site Juventus.com durante todo o dia de hoje.

O resto será silêncio.

Para honrar sua memória.

Reiterar a esperança de que a zombaria vil das 39 vítimas que foram parte durante muitos anos, o fim disso de uma vez por todas.

Para trazer conforto para as suas famílias.

Para deixar claro que um ato semelhante de loucura não deve ser repetido.

Nunca mais.

Capa da tradicional revista esportiva italiana Guerin Sportivo

guerin

No último final de semana, a torcida fez questão de ressaltar os 30 anos de Heysel. Em seu último jogo, em casa, nesta temporada do calcio, e a alguns dias de uma nova final da Liga dos Campeões, os tifosi homenagearam as 39 mortes da tragédia. Aos 39 minutos de jogo, a curva juventina abriu um imenso trapo com a mensagem: +39, respeito. Cada torcedor levantou um cartaz com o nome das vítimas. Em outro trapo havia a seguinte inscrição: “Ninguém morre de verdade se permanece no coração dos que ficaram, pra sempre”.

e3107750-0a9d-4e46-94a7-184fac81b1d0

Assista o documentário da BBC sobre Heysel

 

Mais fotos da tragédia

 1228797_master228931_master

Posts Relacionados

A Tragédia de Superga

Semana que vem o famigerado desastre aéreo do Gran Torino vai completar 66 anos. Resolvi republicar um post meu, do Blog do Birner, para relembrar o triste fim de um time que encantou o mundo e que até hoje marca a memória dos tifosi do time grená.

No dia 4 de maio de 1949, às 17 horas e 05 minutos, sob forte nevoeiro, o avião FIAT G212 da companhia italiana Aeritalia chocou-se contra a fachada da basílica que domina a colina de Superga, situada nos arredores de Turim.

O avião transportava a equipe e toda comissão técnica do glorioso Torino ( 31 pessoas).

Também faleceram, além de toda a delegação do clube piemontês, jornalistas esportivos e dirigentes do Torino.

O acidente ficou conhecido como a “Tragédia de Superga”.

O time grená estava voltando de Lisboa onde participara do amistoso contra o Benfica, em homenagem ao jogador português Francisco Ferreira.

A noticia do desastre repercutiu rapidamente em toda a Bota.

Vittorio Pozzo, treinador da Azzurra, vencedor das copas de 1934 e 1938, teve a dura missão de reconhecer os corpos daqueles que foram chamados “i caduti di Superga”.

500.000 pessoas acompanharam o cortejo que teve inicio na Piazza Castello e percorreu as principais ruas de Turim.

superga_air_disaster

Não foi apenas o trauma de uma tragédia envolvendo celebridades que caracterizou o luto da capital piemontesa e de toda Itália, mas o súbito e inesperado desaparecimento do time símbolo de uma época,  detentor de recordes impressionantes.

Fundado em 1906, o Torino conheceu suas primeiras glórias com a conquista de dois campeonatos italianos, um em 1927, título esse retirado por denúncia de corrupção (mais adiante irei abordar esse caso em outro post) e outro em 1928.

Entretanto, foi o pequeno industrial piemontês Ferruccio Novo, eleito presidente em 1939, que construiu o “Grande Torino”, graças as contratações do centroavante do rival Juventus, Gabetto e dos dois craques do Venezia, Mazzola e Liok.

torino

O Torino ganhou o titulo de 1943, e já no pós guerra, conquistou quatro scudetticonsecutivos, de 1946 a 1949, sendo que esse último lhe foi entregue como título póstumo.

Durante esse período, o Torino dominou o futebol italiano e seus principais rivais, Juventus e  Inter.

A equipe de Turim terminou a temporada de 1946-1947 com uma vantagem de 10 pontos sobre o segundo colocado, Na temporada anterior, a diferença foi de 16 pontos.

Seu jogo ofensivo ia de encontro com a tradição do futebol italiano (naquela época já defensivo), iniciada pela Juventus, já no início dos anos 30. Os jogadores do Torino adoravam placares dilatados como, por exemplo, a goleada histórica sobre a Roma, 7 a 1, fora de casa e o 5 a 0 contra a Inter, durante a temporada 1947-1948.

superga-brasil

 

Embarque para o Brasil em 1948

Todo esse sucesso estava inscrito dentro de um contexto histórico difícil, que era o da reconstrução de uma Itália derrotada, deuma cidade que padeceu com os bombardeios aliados e vivenciou as atrocidades da ocupação nazista.

As conquistas do Torino e seus recordes ajudavam a esquecer, de certo modo, as dificuldades do momento e os horrores de um passado recente e alvitrava uma imagem otimista sobre o futuro da Itália.

Os sucessos do Grande Torino reforçavam junto aos operários da capital piemontesa a áurea granata (grená) de uma equipe que lhes permitiam, duas vezes ao ano, se vingar do time do patrão: a Juventus da Fiat.

Logo após a tragédia, os cadutti foram homenageados em todo planeta.

A FIFA ordenou um minuto de silencio nos campos de futebol do todo mundo.

Na Argentina, o River Plate fez alguns jogos em beneficio às viúvas e órfãos das vitimas do desastre.

No Brasil, não foi diferente, como ilustrou, com propriedade, Antonio Roque Citadini em seu site: “Em 8 de maio, no Estádio do Pacaembu, o Corinthians jogou com a Portuguesa e a renda foi destinada às famílias dos jogadores vítimas da tragédia. O Pacaembu lotado refletia a solidariedade dos paulistanos. O presidente do Conselho Deliberativo do Corinthians, Sr. Maximiliano Ximenes, fez um discurso que provocou lágrimas na platéia. Na fila olímpica formada pelos atletas uma novidade que elevou a tensão no estádio: os jogadores do Corinthians vestiam o uniforme grená do Torino”.

corinthianstorino

As glórias:

5 títulos italianos 42/43, 45/46, 46/47, 47/48 e 48/49.

Pontuação máxima na tabela 65 pontos (1947/48)

Vitória em casa com maior placar 10-0 Alessandria (1947/48)

Vitória fora de casa com maior placar 7-0 Roma (1945/46)

Vitórias em casa 19 – 20 (1947/48)

Números de pontos conquistados em casa 39 de 40 (1947/48)

Número de gols marcados 125 (1947/48)

Recorde de jogadores na seleção italiana – 10 jogadores 11/05/47 Italia-Hungria 3-2

Turnê no Brasil em 1948:

18/07/1948 – ESTÁDIO DO PACAEMBU
TORINO 1 X 1 PALMEIRAS
Arbitro: Ermano Silvano (Italia). Publico: 40.872
Gols: Gabetto 29? (T), Lula 43? (P).

Torino: Bacigalupo, Ballarin, Tomà, Grezar, Rigamonti, Martelli, Menti, Loik, ( 65? Martelli), Gabetto, Mazzola, Ossola. Técnico: Mario Sperone.

Palmeiras: Oberdan, Caieira, Turcão, Og.Moreira, Túlio, Waldemar Fiúme, Lula, Arturzinho, Bóvio, Lima ( 61? Oswaldinho), Canhotinho. Técnico: Cláudio Cardoso.

21/07/1948 – ESTÁDIO DO PACAEMBU
TORINO 1 X 2 CORINTHIANS
Arbitro: Ermanno Silvano (Italia). Publico: 45.946
Gols: Baltazar 43? (C), Colombo 71? (C), Gabetto 81?(T).

Torino: Bacigalupo ( 43? Piani), Ballarin, Tomá, Martelli, Rigamonti, Castigliano (Grezar), Menti, Loik, Gabetto, Mazzola, Ferraris. Técnico: Mario Sperone.

Corinthians: Bino, Rubens, Belacosa, Palmer, Hélio, Newton, Cláudio, Baltazar, Severo ( 65? Edélcio), Ruy, Colombo. Tecnico: Jorge Gomes de Lima.

25/07/1948- ESTÁDIO DO PACAEMBU
TORINO 4 X 1 PORTUGUESA
Arbitro: Alberto da Gama Malcher (Brasil). Publico: 30.000
Gols: Mazzola 16? (T), Pinguinha 42? (P), Gabetto 59?, 81? (T), Castigliano 61? (T)

Torino: Bacigalupo, Ballarin, Tomá, Martelli, Rigamonti (Rosetta), Castigliano (Grezar), Menti, Loik (Castigliano), Gabetto, Mazzola, Ossola. Tecnico: Mario Sperone.

Portuguesa: Caxambu, Lorico e Nino (Sapolinho), Luizinho, Silveira, Helio, Renato, Pinguinha, Nininho, Pinga, Teixeirinha (Djalma). Técnico: Conrado Ross.

28/07/1948 – ESTÁDIO DO PACAEMBU
TORINO 2 X 2 SÃO PAULO
Arbitro: Mario Gardelli (Italia). Publico: 42.500
Gols: Gabetto 11? (T), Ponce de Leon 15? (S), Menti 33? (T), Lelé 57? (S).

Torino: Bacigalupo, Ballarin, Tomá, Martelli, Rigamonti ( 52? Roseta), Grezar, Menti II, Castigliano ( 56? Piani), Gabetto, Mazzola, Ossola. Técnico: Mario Sperone.

Sao Paulo: Mario, Saverio, Mauro, Rui, Bauer, Noronha, Antoninho, Ponce de Leon ( 56? Lelé), Leonidas, Remo, Teixeirinha. Técnico: Vicente Feola.

Fontes: Archivio Toro e www.ilgrandetorino.net

 

Posts Relacionados

Outros derbies “intramuros” da Itália

No continente europeu, a Itália é o local com mais rivalidades de times de uma mesma cidade. Atualmente há cinco derbies intramuros na Serie A. Os clássicos de Turim, Genova, Milão, Roma e Verona. No entanto já existiram outros ao longo da história do calcio. Alguns com certa importância e outros para dar inveja aos nossos cartolas e empresários do futebol brasileiro.

Importante ressaltar que até o ano passado o futebol italiano estava estruturado da seguinte forma: Serie A, Serie B, Serie C1, Serie C2 e Serie D. As series C1 e C2 (eram a primeira e segunda divisão da Lega Pro desde 2008) se juntaram, ficando somente uma terceira e única divisão profissional chamada simplesmente de Lega Pro.

 

Nápoles

É a terceira maior cidade da península e não possui nenhum derby local. Em contrapartida, os clubes profissionais e semiprofissionais da periferia estão na Serie B e Lega Pro. Precisamos voltar um século para ver duas equipes da capital do sul se enfrentarem. O Napoli e a Internazionale Napoli, a segunda sendo o fruto de uma cisão da primeira …. dez anos depois de se uniram para dar vida ao que conhecemos hoje, o grande SSC Napoli. Estas duas equipes tiveram a oportunidade de se enfrentarem nas fases preliminares do campeonato italiano. O balanço é bem igualitário, cinco vitórias pra cada lado e dois empates.

 

Catania

Conhecemos bem o Catania. Time que permaneceu dez longos anos na Serie A, antes de cair para a B na temporada passada. Mas também existe na bela cidade siciliana o Atlético Catania que foi o principal time da cidade, depois da falência temporária do rival no ano de 1993. Os dois clubes possuem quase as mesmas cores. O vermelho em comum, azul claro pra um e escuro para o outro. Pequenas nuances. Os dois se enfrentaram uma dezena de vezes na Serie C1. Depois de uma falência em 2002, o Atlético é hoje um time amador.

Vale ressaltar que o Atletico Catania foi fundado em 1986 e refundado em 2005 por conta da decretação de sua falência.

 

Bergamo

Fundando ao mesmo tempo que a Atalanta, o Virescit Boccaleone (um bairro da cidade lombarda) desapareceu e reapareceu ao longo dos anos e acabou somente se afiliando à federação em 1970. 14 anos mais tarde e depois de uma ascensão progressiva, o desconhecido time de Bergamo alcançou a Serie C2, depois a C1 e quase alcançou a Serie B se não fosse a derrota para o Reggina em 1988! No entanto, o derby aconteceu um ano mais cedo, pela Copa da Itália com a vitória de 2 a 1 para os famosos Nerazzurri. O Virescit fusionou em seguida com o Alzano e reencontrou a Atalanta na Serie B na temporada 1999/00. Atualmente o clube está sediado em Alzano Lombardo, cidade próxima de Bergamo, porém em outra comuna.

 

Vicenza

No ano passada a bela cidade de Vicenza podia se orgulhar de ser a sexta cidade italiana a ter dois clubes profissionais. O Vicenza é bem conhecido, vice-campeão italiano em 1978 e semifinalista da Copa das Copas vinte anos mais tarde após ter conquistado a Copa nacional. O outro time da cidade veneta se chama Real Vicenza. Mesma cores, mesmo estádio e uma ascensão fulminante até chegar no profissional. Com o desaparecimento da C2, o time caiu automaticamente para o terceiro nível do calcio onde também se juntou a ele o rival Vicenza, um ano depois. Porém não teve derby, já que este último passou pela repescagem para a Serie B onde ambos poderão se encontrar pela primeira vez já, que o Real tem chances de promoção.

 

Florença

Como em Nápoles, várias equipes florentinas se enfrentaram nos primórdios do calcio. Porém os jogos aconteceram em campeonatos regionais, nunca no nível nacional. Aos poucos, todos estes pequenos clubes foram desaparecendo e se fundiram para a criação da Fiorentina em 1926. 20 anos depois, nascia a AS Rondinella. Com camisas listradas de vermelho e branco, ela alcançou o profissionalismo em 1979 chegando até a Serie C1, lá permaneceu de 1982 até 1987. Infelizmente, nunca se enfrentaram a não ser em amistosos. Por pouco, pois a Rondinella deixou a C2 em 2002 quando chegou a Fiorentina logo após a sua falência. Vale lembrar que a Rondinella foi o clube formador do campeão mundial Barzagli.

 

Vercelli

Na cidade piemontesa de Vercelli, existiu um time que teve a audácia de colocar em perigo a supremacia do lendário Pro e seus sete títulos de campeonato italiano! Em 2006, em Belvedere, bairro de Vercelli, nascia o Pro Belvedere Vercelli graças a fusão com um time da cidade de Trino Vercellese. O início fora discreto na Serie D. Um estágio acima se encontrava o Pro Vercelli. O Belvedere precisou de três temporadas para alcançar o tradicional time da cidade e deste modo inaugurou o primeiro derby da história. No fim da temporada, o Belvedere caiu mas conseguiu permanecer no tapetão graças a quatro falências, dentre elas a do Pro Vercelli. Com isso, ambas as equipes se encontram e dois anos mais tarde, o Pro voltava a Serie B depois de longos 64 anos.

 

Rimini

O AC Rimini faliu e foi rebaixado para a Serie D em 2010, três anos depois de ter disputado a Serie B, terminando na quinta posição. Ele reencontrou o time de Riccione, outra cidade balnearia da costa Adriática. Por motivos obscuros, este último mudou de nome e de cidade, transformando-se em Real Rimini. O verdadeiro Rimini venceu duas vezes o “rival” e rapidamente alcançou a Lega Pro. O Real chegou na oitava posição, mas pagou caro pela sua arrogância no ano seguinte. Acabou em decimo oitavo lugar com 5 empates, 29 derrotas e zero vitórias. 16 gols marcados e 107 tomados. Um ano depois o time desapareceu.

Posts Relacionados

Os tiros de Porta Nuova

A violência no futebol italiano e mundial é bem mais antiga do que se imagina. Os primeiros casos de brigas entre torcedores foram relatados na véspera da primeira guerra mundial. Foi no período da subida ao poder do fascismo que a velha bota conheceu sua primeira onda de violência, entre 1919 e 1925. Árbitros e jogadores agredidos, ônibus apedrejados, agressões físicas e verbais. Relatórios recentes dos arquivos do ministério do interior italiano, das delegacias de policia e da imprensa comprovam a existência precoce deste fenômeno principalmente na Itália central e setentrional. A final do campeonato da Itália do norte entre Bolonha e Genoa é um famoso exemplo disso.

Nos meses de junho e julho de 1925, a final do campeonato italiano do norte fora realizada por diversos jogos disputados entre Bolonha e Genoa. A tensão esteve no auge depois de uma longa e cansativa temporada. A primeira final disputada em Milão foi o palco de várias irregularidades. O Bolonha perdia por 2 a 1 e conseguiu o empate de maneira bem pitoresca, digamos assim. A bola saiu pela linha de fundo do ataque do time bolonhês quando de repente a torcida sentada na beira do campo pegou a bola e passou para Bellini que assim marcou o gol salvador. O árbitro Mauro invalidou o lance no primeiro momento, mas ao perceber a fúria dos tifosi na beira do gramado resolveu revalidar o gol. Segundo o jornal La Stampa do dia 9 de junho de 1925: “Mauro tentou sair de campo, mas decidiu ficar e depois de 13 minutos de discussão acabou validando o gol”. Revoltados com o lance, os dirigentes e jogadores do Genoa decidiram abandonar o campo.

Não precisaria nem ressaltar que os jogos seguintes foram disputados em um clima bem pesado. Deste modo, na véspera do jogo disputado em Turim, na cancha da Juventus localizada em Corso Marsiglia, o jornal Paese Sportivo anunciou que “por determinação das autoridades não seria permitida a entrada de pessoas munidas de bastões.” No dia seguinte da peleja, o mesmo jornal publicou que todas as precauções foram tomadas para que o jogo fosse realizado na mais perfeita calma. “Em volta do retângulo de jogo, um cordão de isolamento foi formado por Carabinieri, um militar a cada três metros”. Ao que tudo indica o resultado foi satisfatório já que o jogo terminou numa boa, ainda com um empate de 1 a 1.

No entanto, a tensão ficou para o lado de fora do estádio. Na estação de trem de Turim. O jornal Paese Sportivo, no dia 6 de julho de 1925, publicou: “Na estação de Porta Nuova, vários incidentes ocorreram durante a partida de dois trens. Torcedores do Genoa e Bolonha brigaram dentro da estação. Tiros foram disparados de dentro do trem que saia para Bolonha às 20h40. Há relatos que um torcedor genovês fora atingido”. O Gazzetta del Popolo publicou no dia 6 de julho de 1925 que os meliantes abriram fogo quando o trem saia da estação e que a maioria dos disparos foram para o alto, porém alguns tiros atingiram o trem da torcida adversária. Uma pessoa ficou ferida, foi um estivador do porto de Genova, Francesco Tentorio, alvejado na perna esquerda.

Os comentários de uma imprensa controlada pela censura desde o estabelecimento da ditadura fascista em 1925 mostram que longe de ser um fenômeno isolado, os tiros da estação de Porta Nuova eram a expressão máxima da paixão futebolística. Os comentaristas da época não se espantaram com o episódio já que era factível um incidente por causa das condições impostas aos torcedores. As discussões entre torcidas rivais pareciam aos olhos dos jornalistas um elemento natural do espetáculo esportivo. Quando o jogo terminava, as provocações continuavam na saída dando ensejo a algumas brigas. Segundo os jornalistas, os torcedores faziam de tudo para ajudar o time utilizando todos os meios possíveis e imaginários. Outros responsabilizaram os clubes por contratar trens privados para o transporte de 500 a 1000 torcedores a cada jogo. O objetivo era mostrar a força de sua torcida no campo adversário como assim relatou o Gazzetta del Popolo: “Só os times não parecem ser o suficiente, é preciso a presença dos torcedores com o objetivo de colocar os rivais anfitriões em posição de inferioridade e preparar um ambiente propicio à vitória” .

Pode-se comparar algumas repreensões como aquelas cometidas contra os inimigos do fascismo. A FICG puniu o clube bolonhês com uma multa pesada de 5 000 liras por não divulgar a lista dos torcedores culpados do incidente de Porta Nuova. Um agrupamento formado por torcedores reuniu mais de 1 000 pessoas na Piazza Nettuno, no coração de Bolonha. Organizada por um conselheiro municipal, o capitão Galliano, a manifestação tinha por objetivo apoiar o clube que havia negado a deliberação estatal. Apesar da ocupação da praça, o clube foi obrigado a ceder. O estado fascista estabeleceu uma legislação especifica para os encontros esportivos. O decreto-lei de 6 de agosto de 1926 instituiu a obrigação da dupla autorização, prefeitura e governo, para a realização de um jogo internacional (artigo 1) e os jogos nacionais deveriam ser realizados após a aprovação do prefeito ao menos um mês antes (artigo 5). Tais medidas não foram suficientes para sufocar o espírito do tifosi, mas a febre futebolística do pós-guerra estava sob controle.

Posts Relacionados