SDT Na Bancada #20 Barrismo Social

Cruzamos a fronteira ao norte, para estabelecer contato com Felipe “Pipe” Muñoz, liderança de Los del Sur – principal barra brava do Atlético Nacional, de Medellín – além de ser baterista da banda Tr3sDeCorazón.

Em pauta, a tomada de consciência dos hinchas colombianos em relação à violência, bem como as diversas medidas que tem sido tomadas no país vizinho para combater este mal no futebol.

Participaram da charla, Nico Cabrera – direto de Cordoba – e o professor Felipe Tavares Paes Lopes (PPGCC-Uniso), que nos visitou novamente no Estúdio Mané Garrincha!

Posts Relacionados

SDT Na Bancada #13 Espetacularização das Barras

A temporada 2018 está chegando ao final exigindo muito debate da comunidade torcedora sobre a Argentina. E como é comum no país vizinho com uma dose extra de drama, que recai na marginalização e uso político das barras (algumas nem tão bravas ou poderosas assim).

Javier Bundio e Nico Cabrera, dois especialistas do tema, colaram NA BANCADA para falar sobre as hinchadas, dos cânticos aos confrontos, além da atualização do projeto de lei que visa criminalizar esse grupos.

Posts Relacionados

Conexão Sudaca #175 Semanas Copeiras XIX

Nosso conductor Matias Pinto recebeu o amigo riverplatense Victor Zapata para charlar sobre os classificados às semifinais da Copa Libertadores e quartas-de-final da Copa Sul-Americana.

Para fechar em grande estilo, escutamos a crítica contundente dos colombianos de La Pestilencia em relação à violência no futebol, já que tocam em Medellín horas depois de mais uma edição do Clásico Paisa!

Posts Relacionados

Posts Relacionados

Direitos Humanos e a batalha contra o senso comum

A rejeição aos Direitos Humanos é posição frequente no cotidiano brasileiro. Em que pese a pacífica aceitação no meio acadêmico e o profundo debate no âmbito interno dos movimentos sociais, o assunto dificilmente subsiste em contextos populares banais da vida como um ponto de ônibus, uma padaria ou almoço em família sem que se choque contra um ângulo de visão depreciativo, que os reduza aos “direitos dos bandidos”, e seus defensores a meros “protetores de bandidos”.

Importante estudo recente, com foco na opinião da população da cidade do Rio de Janeiro, revelou que 56% dos cariocas acreditam que os Direitos Humanos só defendem bandidos, enquanto 73% acreditam que os Direitos Humanos atrapalham o combate à criminalidade. São dados ilustrativos de um quadro cultural fortemente estabelecido de recusa à proteção de direitos e pessoas em nome de uma cruzada contra a figura social do “bandido”.

Em exercício de respeito ao debate, a composição do ideário popular faz despertar alguns necessários questionamentos relativos às premissas dessa cultura de negação, às consequências, ao que são e ao que não são os Direitos Humanos e, preliminarmente, às origens dessa cultura de repulsa.

Os adventos históricos que contribuíram para a tradição contemporânea ocidental de estabeler cartas políticas que enunciam direitos das pessoas têm como importante marco os movimentos de ruptura com o absolutismo monárquico então vigente na Europa, destacando-se a Revolução Francesa ocorrida no século XVIII, que documentou seus princípios através da “Declaração de Direitos do Homem e do Cidadão”, de 1789, assentada em exigências de abstenção do Estado frente aos espaços dos direitos de liberdade, civis e políticos.

Para fins de comprometimento com uma abordagem mais crítica do que propriamente encantatória dos Direitos Humanos, se faz necessário pontuar que a história da enunciação de direitos se confunde, necessariamente, com a história das violações de direitos. Assim como a Declaração de origem iluminista padecia de um certo descompasso entre a intenção declarada de pregar a liberdade dos seres humanos e as suas reais pretensões de sedimentar o ideário liberal de abstenção do Estado em benefício da burguesia então ascendente, o Brasil, ao sentir os primeiros ventos da tradição jurídica do liberalismo, adotou sua primeira Constituição, em 1824, ainda no período imperial, sem fugir ao constrangimento de enunciar o direito à liberdade em paralelo ao vigente modo de produção escravista.

As declarações de direitos dos diferentes períodos históricos, bem como das distintas matizes ideológicas, do liberal ao social, sempre esbarraram no desafio de tornarem-se algo além de mera folha de papel. A crise de inefetividade dos direitos enunciados exerceu, inclusive, função preponderante para o enfraquecimento da Alemanha da República de Weimar, alicerçada sobre as bases expressas de sua Constituição de 1919, importante documento histórico declaratório de direitos sociais como educação, cultura, previdência e regulação das relações de produção e trabalho. A instabilidade política alemã, contudo, permitiu sucumbir a República e emergir o regime totalitário nazista, em consequente cenário de atrocidades sem precedentes na história da humanidade.

O período pós Segunda Guerra Mundial marca um novo parâmetro dos Direitos Humanos: a busca pela internacionalização. A partir de então, são criadas organizações como as Nações Unidas (ONU), uma Declaração Universal de Direitos Humanos é elaborada a fim de estabelecer um patamar mínimo de direitos básicos sem os quais não se pode conceber o desenvolvimento humano, os Estados passam a aderir a compromissos sob a forma de Tratados para garantir direitos, e, ainda, são estruturados tribunais internacionais destinados ao julgamento de países que não respeitem os direitos de seus cidadãos.

Tratou-se, à época, de um movimento de vanguarda que contribuiu para a sedimentação dos Direitos Humanos enquanto modo de imposição de limites do poder dos Estados, os consolidando como direitos dos indivíduos contra a arbitrariedade estatal. A ciência do Direito, neste contexto histórico, viveu período de intensas transformações teóricas, pregando a vinculação jurídica – e não mais meramente retórica ou política – das declarações de direitos e das Constituições, centralizando o valor da dignidade humana como parâmetro condicionante de toda a produção a legislativa dos países, da interpretação das normas e da atividade de todos os seus operadores, incluindo os governos.

O Brasil, por sua vez, passava ao largo das construções sobre Direitos Humanos. Nos anos 30, o Estado Novo, perpetrado por Getúlio Vargas, baseou-se em pretexto anticomunista, documentado, inclusive, na própria Constituição brasileira de 1937, para atacar de forma imoderada as instituições republicanas e as liberdades públicas. Fechamento do Congresso Nacional, concentração dos Poderes Legislativo e Executivo nas mãos do chefe de governo, ingerência sobre o Poder Judiciário, domínio estatal dos sindicatos, dissolução dos partidos políticos, nomeação de interventores nos Estados, e, em especial, fortalecimento de um aparato policial dirigido às perseguições, torturas e mortes são alguns dos exemplos de práticas subterrâneas características do período em relação a opositores.

Enquanto o mundo pós Segunda Guerra convergia para a eleição de parâmetros mínimos de civilidade, fato em torno do qual os blocos socialista e capitalista passaram a se debruçar – ainda que suas contribuições não se dissociassem de suas respectivas pretensões de globalismo – o Brasil, por mais uma vez, fracassava em tentativa de restabelecimento de uma República e caía em novo golpe de Estado em 1964.

Mais do que manter o Brasil alheio aos relevantes Tratados Internacionais produzidos a partir da década de 60, o governo militar brasileiro estabeleceu uma forte cultura de repressão interna aos discursos que se identificavam com as agendas debatidas internacionalmente sobre os Direitos Humanos. Seguindo essa tônica, as ligas camponesas, o operariado urbano, a teologia da libertação, a luta pela anistia política são alguns dos exemplos de movimentos sobre os quais recaía o rótulo de “subversivos”, ainda que o termo que não se restringisse ao campo do controle repressivo político de opositores, mas, sim, mais amplamente, de um campo de controle moral da população.

Quando, em 2008, por ocasião dos 40 anos da edição do Ato Institucional nº 5, documento símbolo do ápice repressivo da ditadura militar, o instituto Datafolha pesquisou a memória dos brasileiros, 82% afirmaram desconhecer o significado de sua sigla. O resultado guarda certa coerência com aqueles recentemente observados relativos aos Direitos Humanos. Ambos são frutos de políticas de Estado que produziram impacto muito consistente na formação social brasileira, contra as quais nosso projeto educacional pós ditatorial se revela, tanto quando nossa política institucional, absolutamente distante de proporcionar uma real ruptura com valores antidemocráticos.

Se, por um lado, a construção dos Direitos Humanos no mundo é longa e paulatina, a cultura de repulsa a esses valores na sociedade brasileira também consiste em projeto de longa sedimentação, a ponto de conflitos modernos relevantes, a exemplo dos elevadíssimos índices de homicídios de jovens negros pobres das periferias, muitos dos quais praticados por agentes do Estado, serem ainda relegados ao espaço social da subversão.

Como condição agravante ao quadro, a opinião popular, reforçada pelos meios de comunicação, legitima uma política de segurança pública de “combate à criminalidade”, baseada na lógica de enfrentamento e de tratamento da população das áreas mais pobres e vulneráveis como potencial inimiga de guerra, contra quem se admite uma série de violações de direitos garantidos e de compromissos assumidos pelo país em Tratados Internacionais. O sucesso retórico do discurso, verificável pela quantidade de ocupantes de cargos eletivos que nele se apoiam, é inversamente proporcional aos resultados apresentados, haja vista o crescimento das práticas policiais ilegais, como se exemplifica o contexto do Rio de Janeiro, cujos agentes estatais são responáveis por 25% dos homicídios praticados na capital do Estado em 2017. Fosse uma política bem sucedida, os 10 anos de crescimento da violência estatal apontados no estudo deveriam culminar em maior sensação de segurança da população. Ao contrário, ensejaram Intervenção Federal – diga-se, em mais uma jogada política com apoio da população.

Mesmo governos amplamente impopulares, que fracassam em políticas públicas nas mais diversas áreas, parecem desfrutar de carta branca da opinião popular para agir fora das margens legais quando se trata de políticas repressivas. Como se a polícia sob controle de um governo não fosse sua responsabilidade, como se agentes públicos de alguma espécie não pudessem se submeter a limites legais, ou como se a lógica irracional populista de “combate” não se prestasse a ser o combustível de uma guerra na qual necessariamente morrerão agentes de Estado e população civil.

Verificamos, então, um estágio de retroalimentação: o Estado se propõe ao enfrentamento da criminalidade, a opinião pública, expressa sem a absorção das lições históricas, respalda atuações ilegais, os índices de violência se elevam, enquanto, novamente, o Estado prossegue em busca de soluções repressivas que recairão sobre parcela determinada da sociedade, com amparo da voz popular. E assim por diante. Sem afetações positivas dos indicadores sociais. Em última análise, o desprezo pelos Direitos Humanos se traduz em amplificação da violência contra as camadas mais vulneráveis da sociedade, que, após serem alijadas de pressupostos básicos de uma vida digna, se encontrarão marcadas pelo rótulo cínico dos “bandidos”, dos “subversivos”, que as colocará sob a mira das armas do Estado, que dispararão sob aplausos em praça pública, num grande espetáculo de atraso civilizatório.

 

  • RODOLFO ZAGO é advogado militante pelos Direitos Fundamentais

Posts Relacionados

Os tiros de Porta Nuova

A violência no futebol italiano e mundial é bem mais antiga do que se imagina. Os primeiros casos de brigas entre torcedores foram relatados na véspera da primeira guerra mundial. Foi no período da subida ao poder do fascismo que a velha bota conheceu sua primeira onda de violência, entre 1919 e 1925. Árbitros e jogadores agredidos, ônibus apedrejados, agressões físicas e verbais. Relatórios recentes dos arquivos do ministério do interior italiano, das delegacias de policia e da imprensa comprovam a existência precoce deste fenômeno principalmente na Itália central e setentrional. A final do campeonato da Itália do norte entre Bolonha e Genoa é um famoso exemplo disso.

Nos meses de junho e julho de 1925, a final do campeonato italiano do norte fora realizada por diversos jogos disputados entre Bolonha e Genoa. A tensão esteve no auge depois de uma longa e cansativa temporada. A primeira final disputada em Milão foi o palco de várias irregularidades. O Bolonha perdia por 2 a 1 e conseguiu o empate de maneira bem pitoresca, digamos assim. A bola saiu pela linha de fundo do ataque do time bolonhês quando de repente a torcida sentada na beira do campo pegou a bola e passou para Bellini que assim marcou o gol salvador. O árbitro Mauro invalidou o lance no primeiro momento, mas ao perceber a fúria dos tifosi na beira do gramado resolveu revalidar o gol. Segundo o jornal La Stampa do dia 9 de junho de 1925: “Mauro tentou sair de campo, mas decidiu ficar e depois de 13 minutos de discussão acabou validando o gol”. Revoltados com o lance, os dirigentes e jogadores do Genoa decidiram abandonar o campo.

Não precisaria nem ressaltar que os jogos seguintes foram disputados em um clima bem pesado. Deste modo, na véspera do jogo disputado em Turim, na cancha da Juventus localizada em Corso Marsiglia, o jornal Paese Sportivo anunciou que “por determinação das autoridades não seria permitida a entrada de pessoas munidas de bastões.” No dia seguinte da peleja, o mesmo jornal publicou que todas as precauções foram tomadas para que o jogo fosse realizado na mais perfeita calma. “Em volta do retângulo de jogo, um cordão de isolamento foi formado por Carabinieri, um militar a cada três metros”. Ao que tudo indica o resultado foi satisfatório já que o jogo terminou numa boa, ainda com um empate de 1 a 1.

No entanto, a tensão ficou para o lado de fora do estádio. Na estação de trem de Turim. O jornal Paese Sportivo, no dia 6 de julho de 1925, publicou: “Na estação de Porta Nuova, vários incidentes ocorreram durante a partida de dois trens. Torcedores do Genoa e Bolonha brigaram dentro da estação. Tiros foram disparados de dentro do trem que saia para Bolonha às 20h40. Há relatos que um torcedor genovês fora atingido”. O Gazzetta del Popolo publicou no dia 6 de julho de 1925 que os meliantes abriram fogo quando o trem saia da estação e que a maioria dos disparos foram para o alto, porém alguns tiros atingiram o trem da torcida adversária. Uma pessoa ficou ferida, foi um estivador do porto de Genova, Francesco Tentorio, alvejado na perna esquerda.

Os comentários de uma imprensa controlada pela censura desde o estabelecimento da ditadura fascista em 1925 mostram que longe de ser um fenômeno isolado, os tiros da estação de Porta Nuova eram a expressão máxima da paixão futebolística. Os comentaristas da época não se espantaram com o episódio já que era factível um incidente por causa das condições impostas aos torcedores. As discussões entre torcidas rivais pareciam aos olhos dos jornalistas um elemento natural do espetáculo esportivo. Quando o jogo terminava, as provocações continuavam na saída dando ensejo a algumas brigas. Segundo os jornalistas, os torcedores faziam de tudo para ajudar o time utilizando todos os meios possíveis e imaginários. Outros responsabilizaram os clubes por contratar trens privados para o transporte de 500 a 1000 torcedores a cada jogo. O objetivo era mostrar a força de sua torcida no campo adversário como assim relatou o Gazzetta del Popolo: “Só os times não parecem ser o suficiente, é preciso a presença dos torcedores com o objetivo de colocar os rivais anfitriões em posição de inferioridade e preparar um ambiente propicio à vitória” .

Pode-se comparar algumas repreensões como aquelas cometidas contra os inimigos do fascismo. A FICG puniu o clube bolonhês com uma multa pesada de 5 000 liras por não divulgar a lista dos torcedores culpados do incidente de Porta Nuova. Um agrupamento formado por torcedores reuniu mais de 1 000 pessoas na Piazza Nettuno, no coração de Bolonha. Organizada por um conselheiro municipal, o capitão Galliano, a manifestação tinha por objetivo apoiar o clube que havia negado a deliberação estatal. Apesar da ocupação da praça, o clube foi obrigado a ceder. O estado fascista estabeleceu uma legislação especifica para os encontros esportivos. O decreto-lei de 6 de agosto de 1926 instituiu a obrigação da dupla autorização, prefeitura e governo, para a realização de um jogo internacional (artigo 1) e os jogos nacionais deveriam ser realizados após a aprovação do prefeito ao menos um mês antes (artigo 5). Tais medidas não foram suficientes para sufocar o espírito do tifosi, mas a febre futebolística do pós-guerra estava sob controle.

Posts Relacionados